Conheça 9 problemas de pele mais comuns e como combatê-los

problemas de pele
17 minutos para ler

Há várias doenças de pele que podem incomodar muitas pessoas ao longo da vida. Alguns males podem ter origem genética, enquanto outros surgem a partir de maus hábitos alimentares, uso indiscriminado de remédios, má alimentação, problemas emocionais, entre outros fatores que contribuem para o surgimento de cada doença.

Sendo assim, é de suma importância saber identificar cada tipo de irritação e, consequentemente, iniciar o tratamento adequado para cada caso. Por isso, separamos os 10 problemas de pele mais comuns e, de forma prática e didática, vamos explicar as principais causas, sintomas, tratamentos e dicas de prevenção.😊

Se você quer manter a pele jovem e saudável por muito mais tempo, leia este post até o fim!

Conheça as principais doenças de pele

Há uma infinidade de doenças de pele que podem atingir pessoas de diferentes idades e sexo. Mas você sabe quais são as mais comuns? Confira a seguir!

1. Acne

A acne é uma doença de pele muito comum, que pode atingir pessoas de todas as idades. É mais comum que a acne apareça na adolescência, porém, em alguns casos, o problema pode surgir na fase adulta.

Vale dizer que há diferentes tipos de acne. A mais comum é ocasionada pela alteração hormonal comum na adolescência. As glândulas do tecido epitelial produzem mais óleo para manter o tecido úmido devido ao aumento dos hormônios. Assim, o excesso de gordura pode obstruir os poros e, por conta disso, aparecer as temidas espinhas.

Em adultos, a acne pode ser resultado de um distúrbio hormonal, problemas nervosos, sanguíneos, entre outros. Portanto, recomenda-se procurar um dermatologista para avaliar cada caso e, assim, prescrever um tratamento correto para o diagnóstico.

Há vários graus e intensidades da acne, assim como os tratamentos disponíveis para cada caso. Em algumas situações mais brandas, o problema pode ser resolvido com o auxílio de procedimentos estéticos, como peeling, cremes, géis, entre outros produtos dermocosméticos.

Nos casos em que a acne encontra-se em graus avançados, o problema poderá ser resolvido a partir do uso controlado de medicamentos específicos, como antibióticos e hormônios. Entretanto, vale ressaltar que, antes de consumir qualquer tipo de medicação, é primordial consultar um dermatologista.👍

2. Dermatite

A dermatite é uma reação inflamatória na região do tecido epitelial que pode acontecer por vários motivos. Os sintomas mais comuns são coceira, ressecamento e/ou rachaduras na pele, tecido avermelhado e com aparecimento de pequenas veias. Há, ao menos, cinco tipos de dermatite. Confira a seguir quais são eles:

Dermatite de contato

É causada por um agente externo que causa alergia momentânea na região, geralmente, nas mãos e no rosto. O problema não é contagioso e pode ser minimizado com o uso de medicamentos aplicados na região ou via oral.

Dermatite atópica

É uma manifestação crônica da dermatite. Na maioria das vezes, atinge as regiões articulares, como joelhos, cotovelos e, também, as costas. Esse problema de pele também pode vir acompanhado de outras alergias, como a asma e a rinite.

Dermatite seborreica

Também é um problema crônico que se manifesta em regiões onde se concentram glândulas sebáceas, como rosto e couro cabeludo. É muito comum em homens e bebês, devido à grande produção da oleosidade natural da pele.

Dermatite esfoliativa

Esse caso é uma complicação que deriva de outras doenças de pele, como a psoríase e outros casos de dermatite. A dermatite esfoliativa, portanto, é uma inflamação mais grave que provoca danos severos à pele, como rachaduras, escamas e, em alguns casos, até mesmo sangramento.

Dermatite de estase

Ocorre em pessoas que têm problemas de circulação nos membros inferiores (coxas e panturrilha, principalmente). A dermatite de estase ocasiona uma inflamação na pele devido à estagnação de sangue e retenção de líquidos na região afetada.

3. Melasma

O melasma é uma doença de pele popularmente conhecida pelo aparecimento de manchas na pele. Geralmente, o local com maior incidência de melasma é na região da face. Entretanto, outras partes do corpo também podem ser afetadas pela doença, como braços, pescoço, colo e pernas. 👂👃👐

Na maioria das vezes, o melasma aparece mais em mulheres do que em homens. O motivo está relacionado a condições hormonais, como nos casos de utilização de anticoncepcionais e mudanças ocasionadas pela gravidez, à exposição solar e, também, à herança genética.

O melasma pode ser diagnosticado a partir de tipos diferentes, de acordo com as peculiaridades de cada tipo de mancha. São eles:

  • melasma epidérmico: a mancha fica exposta na pele, em contato com o ambiente. Por estar presente na epiderme, é possível visualizar todo o melasma externamente;
  • melasma dérmico: a mancha se encontra na derme – tecido localizado entre a epiderme (parte externa da pele) e a hipoderme (camada profunda da pele). Nesse caso, o melasma também atinge glândulas, terminações nervosas e vasos sanguíneos;
  • melasma misto: a mancha, nesse caso, atinge todos os tecidos simultaneamente.

O melasma não tem um sintoma específico. As pessoas descobrem que são portadoras da doença quando notam algumas manchas na pele, principalmente no rosto e na região do pescoço. As manchas podem tanto ser escuras, quanto mais esbranquiçadas. Tudo dependerá do tipo de pele e das causas de cada melasma.

O tratamento para o melasma pode variar entre sessões de peeling, cremes, tratamento a laser, entre outros. Porém, vale ressaltar que, antes de aplicar qualquer substância sob as manchas, consulte um dermatologista! Somente o profissional pode indicar a solução mais adequada para o caso.

4. Micose

É um problema de pele infeccioso ocasionado pela proliferação de fungos em regiões de grande concentração de queratina e umidade, como unhas e cabelos. Há diferentes causas para o surgimento da micose. Algumas vezes, ela surge a partir da falta de cuidados higiênicos, como a falta do hábito de secar entre os dedos e, logo, vestir meias e sapatos fechados.

A micose também pode surgir em ambientes que favorecem a permanência do corpo úmido por muito tempo, como piscinas e praias. Nesses lugares, a micose é provocada pelo fungo Malassezia.

Se a micose não é tratada de maneira correta, pode ocorrer perda de unhas e cabelo na região afetada. Por isso, o tratamento é fundamental. Além disso, a mudança de hábitos é necessária para que o quadro não se repita novamente.

Sempre seque bem o corpo após o banho, não utilize roupas de banho molhadas por muito tempo e faça exames médicos antes de frequentar praias e clubes de campo. Lembre-se: a micose é contagiosa! Por isso, esteja atento à higiene dos lugares que você frequenta!

5. Psoríase

É um problema de pele crônico, não contagioso e que, em alguns casos, pode ser genético. A psoríase caracteriza-se por uma inflamação cutânea que atinge principalmente regiões articulares (joelhos e cotovelos), extremidades do corpo (pés e mãos) e couro cabeludo. 👩

Na maioria dos casos, a psoríase surge na juventude (até 30 anos) ou após os 50 anos. Em situações mais raras, é possível que a doença atinja crianças e adolescentes. Há diversos tipos de psoríase. Vejamos as mais comuns:

Psoríase vulgar

Aparece na região das articulações e no couro cabeludo. Nesse caso, a pele apresenta rachaduras seguidas de lesões avermelhadas. É possível que a pele descame e, em casos mais graves, apresente sangramento.

Psoríase invertida

Parecida com a psoríase vulgar, a psoríase invertida aparece em lugares onde há acúmulo de umidade e suor, como a parte interna do joelho, cotovelos e couro cabeludo.

Psoríase gutata

Trata-se de infecções que têm formato de gota e atingem membros inferiores, como coxas, quadril e, em alguns casos, estendem-se ao tronco e aos braços. Esse tipo de psoríase é comum em crianças e jovens.

Psoríase ungueal

A infecção, nesse caso, assume formas arredondadas, como se fossem pequenos pontinhos amarelados nas unhas – principalmente, nas mãos.

Psoríase palmo-plantar

Infecções que provocam lesões em forma de rachaduras nas mãos e na sola do pé. Dependendo da gravidade, alguns casos podem apresentam pus e, até mesmo, sangramento.

Vale lembrar que, além dos fatores genéticos, a psoríase pode aparecer por implicações nervosas, nível de estresse elevado, uso de medicamentos e abuso de álcool e drogas.

6. Rosácea

É uma das mais comuns doenças de pele que atingem o rosto e pode se alastrar para a região do pescoço e colo. Geralmente, a doença aparece em mulheres adultas que já apresentam disposição genética para tal problema, além de distúrbios hormonais, alteração emocional, choque térmico e exposição solar demasiada.

Os sintomas da rosácea variam de acordo com o grau da doença. No início, a manifestação é branda e o principal sintoma é a vermelhidão temporária da pele, aliada à sensação de calor e ardência na região.

Em áreas com maior incidência de vasos sanguíneos, a rosácea pode se alastrar e adquirir um formato de teia. Em casos como esse, há probabilidade de o problema atingir também a região dos olhos e o paciente associar a doença à conjuntivite, pois os sintomas são semelhantes. A pele adquire textura mais grossa, com pontos escuros que lembram cravos.

O diagnóstico da rosácea deve ser feito a partir de um exame clínico – como a biópsia. Somente dessa maneira é possível detectar a gravidade do problema e, posteriormente, o tratamento indicado. Na maioria dos casos, o dermatologista prescreve antibióticos, cremes, pulsação a laser ou, em situações mais avançadas, cirurgia a laser.

7. Eczema

É uma doença de pele que pode apresentar diversos tipos de lesões no tecido epitelial e pode atingir pessoas de diferentes idades e sexo. O eczema pode apresentar quadros leves, agudos ou crônicos. Em alguns casos, a Sociedade Brasileira de Dermatologia trata o eczema como equivalente à dermatite, como nos tipos atópico e de contato.

A doença se inicia com o aparecimento de pequenas “bolinhas d’agua” na pele que, ao estourarem, liberam uma espécie de líquido esbranquiçado. Quando o quadro apresenta-se na fase crônica, as bolinhas formam uma espécie de crosta, que é enrijecida pelo líquido liberado na eclosão do eczema. Dessa maneira, a pele adquire um aspecto mais espesso do que o normal.

Há, ao menos, seis tipos de eczema. São eles:

Eczema atópico

Aparece em regiões de “dobras”, como braços, pernas, joelhos e virilha. Geralmente, pacientes que apresentam eczema atópico têm outras tipos de alergia, como asma e rinite. Por isso, a maioria dos portadores do eczema atópico apresentam coceira. O problema pode surgir nos primeiros meses de vida e pode ter grande interferência genética.

Eczema de contato

Surge a partir de uma reação alérgica do organismo devido ao contato com substâncias externas que causam danos às células epiteliais. Por isso, os locais mais atingidos por essa manifestação são a face, mãos, braços, pescoço e colo.

Eczema por droga ingerida ou farmacodermia eczematosa

Causado por uma reação alérgica a determinado medicamento ou droga. Geralmente, substâncias anti-inflamatórias, antibióticas e analgésicas podem desencadear quadros desse tipo de eczema.

Eczema de estase

São inflamações localizadas nos membros inferiores devido à má circulação. Devido ao déficit de nutrição dos vasos sanguíneos do tecido epitelial nessa área, é possível que o eczema apareça e se alastre na região. Geralmente, esse tipo de problema é mais recorrente em mulheres.

Eczema disidrótico

Nesse caso, a doença aparece nos pés e mãos a partir da manifestação de um fungo, semelhante à micose.

Como o eczema possui diversos sintomas e causas, vale consultar um dermatologista para realizar exames clínicos que acusem qual é o tipo da doença e, também, apontem o tratamento adequado.

8. Pano branco

A pitiríase versicolor – doença popularmente conhecida como pano branco — é ocasionada por um fungo que todos nós portamos no tecido epitelial. Devido à naturalidade desse elemento, qualquer pessoa pode desenvolver a doença, em diversas partes do corpo.

Os principais sintomas são o aparecimento de manchas de colorações que oscilam entre branco, amarelo, marrom claro e vermelho. O fungo se desenvolve em partes oleosas, como axilas, virilha, couro cabeludo, tronco, entre outras.

Outros fatores que podem interferir diretamente no surgimento do pano branco são as épocas do ano mais quentes e regiões onde a pele recebe maior incidência de raios solares. O uso de medicamentos que provocam mudanças hormonais também podem ser responsáveis por agravar a situação da doença.

Os cuidados para que a doença não se prolifere vão desde a manutenção da higiene até consultas periódicas ao dermatologista. Afinal, a pitiríase versicolor também pode ter origem genética. Portanto, exige um olhar mais aprofundado sobre o caso para um tratamento realmente eficiente.

9. Desidrose

Essa doença de pele se caracteriza, principalmente, pelas pequenas bolhas brancas que se agrupam na área da mãos e braços. Geralmente, a desidrose ocorre pelo excesso de suor, e o quadro pode evoluir até se tornar uma doença crônica.

Esse problema acomete pessoas de ambos os sexos, principalmente em idade entre 20 e 50 anos. Vale dizer que distúrbios emocionais, como altos níveis de estresse e depressão, podem agravar ainda mais a situação.

Descubra como prevenir as doenças de pele

Cada tipo de doença de pele tem suas particularidades, assim como o tratamento e prevenção adequadas para cada caso. Porém, há algumas dicas gerais que podem ajudar a prevenir esses problemas. Confira:

  • evite deixar a pele úmida por muito tempo: ao sair do banho, piscinas ou mergulhos no mar, seque o corpo imediatamente. Isso vai ajudar no controle da proliferação de fungos e na eliminação de possíveis substâncias alérgicas presentes na água;
  • não tome banhos quentes e longos: altas temperaturas por muito tempo podem prejudicar a saúde da pele e favorecer o surgimento de algumas dessas doenças;
  • evite a exposição ao sol em horários de grande incidência UV: o horário em que mais se deve evitar os raios solares é das 10h às 15h;
  • procure utilizar sabonetes e cremes de limpeza neutros: evite produtos com fragrâncias que podem estimular alergias, além de ressacar e desidratar o tecido epitelial;
  • use superfícies macias para secar a pele: opte por toalhas e tecidos suaves, como algodão para usar no rosto e corpo;
  • não compartilhe produtos de higiene pessoal: alguns itens como buchas de banho, sabonetes em pedra, toalhas, lâminas de barbear, entre outros, não devem ser compartilhados, pois você pode transmitir ou contrair doenças de pele com facilidade;
  • mantenha a pele hidratada: utilize cremes e óleos de qualidade para que o tecido consiga obter todas as propriedades benéficas que só bons produtos conseguem proporcionar. Uma pele brilhante e saudável é essencial para a saúde e para o bem-estar de qualquer um;
  • procure manter uma dieta livre de produtos industrializados: aposte em vegetais e frutas frescas para obter todos os nutrientes necessários para uma pele saudável;
  • trabalhe seu emocional: aprender a não se desgastar emocionalmente é importante, já que problemas de pele também têm ligação direta com estresse, ansiedade e depressão. Para controlar suas emoções e sentimentos, procure um psicólogo ou terapeuta para orientar o processo;
  • use cosméticos de qualidade: invista em maquiagens e demais produtos que realmente prezam pela qualidade e pela saúde de quem os utiliza. Assim, você poderá fazer uma maquiagem natural para o dia sem medo de alergias e problemas de pele;
  • visite o dermatologista a cada seis meses: a regularidade das consultas é indispensável para detectar irregularidades na pele, prevenir doenças e tratar os problemas já existentes.

Aprenda como lidar com os problemas de pele

Se você tem alguma doença de pele, primeiramente, procure um especialista para diagnosticar o problema e sugerir o tratamento adequado para o seu caso, em específico. Afinal, há diversas formas de tratar esses problemas. Confira a seguir:🔜

Realizar procedimentos estéticos

Clínicas estéticas são ótimas aliadas em casos de doenças de pele. Tratamentos aplicados por esteticistas são capazes de amenizar o problema e auxiliar na recuperação da pele. As opções mais comuns são aquelas que utilizam agentes clareadores ou de esfoliação, como peeling ou laser.

Lembre-se de que todo procedimento estético deve ser orientado por um dermatologista, pois todos os elementos podem causar efeitos colaterais danosos ao paciente. Por isso, faça consulta e retornos regulares para que o profissional acompanhe o seu caso.

Evitar a automedicação

O Brasil é um dos países que mais pratica a automedicação. Cerca de 90% das pessoas já utilizaram remédios sem prescrição médica. Esse é um dado alarmante, visto que todo medicamento pode apresentar efeito colateral e danos à saúde se utilizado de maneira equivocada.

Por isso, só utilize medicação indicada por dermatologistas ou profissionais da saúde qualificados para tratar as doenças de pele. Faça exames clínicos para saber se o organismo está preparado para receber a medicação e acompanhe periodicamente a aceitação do remédio pelo sistema sanguíneo e imunológico. Ao notar qualquer tipo de alteração na pele, um médico deverá ser consultado.

Tenha bom senso e evite a exposição excessiva ao sol. A grande maioria das doenças da pele são agravadas com a incidência exagerada dos temidos raios ultravioleta. Por isso, evite a exposição ao sol sem o uso do protetor solar. Dispense o uso de óleos bronzeadores que não tenham fator de proteção, pois esses produtos podem prejudicar ainda mais a qualidade e a saúde da pele.

Cuidar da saúde e do bem-estar

A prevenção ainda é o melhor remédio para qualquer doença. Por isso, invista seu tempo cuidando do corpo e da mente. Estabeleça uma dieta rica em vitaminas e nutrientes. Dê preferência a alimentos orgânicos e produzidos de maneira artesanal.

Procure abolir da dieta alimentos gordurosos, produzidos com agrotóxicos e que não apresentem procedência de fabricação. Você é o que você come! Não se esqueça disso!

Manter a pele sempre limpa

limpeza de pele nem sempre faz parte da rotina de beleza de todo mundo. Entretanto, cuidar do maior órgão do corpo humano é fundamental para que a saúde esteja em dia. Para realizar a limpeza de maneira correta, aposte em produtos específicos, como a água micelar, demaquilantes antialérgicos e sabonetes neutros. Após a limpeza diária, aposte em produtos para dar aquele upgrade na pele, como cosméticos com poder lifting e anti-idade.

Viu como cuidar da pele é fundamental para evitar doenças de pele? Portanto, invista em você e não deixe de prestar atenção em qualquer alteração significativa! Problemas de pele são comuns e podem ser tratados para nunca mais aparecerem. Basta procurar um profissional qualificado, que realize o diagnóstico do problema e ofereça o tratamento específico para cada caso. Preste mais atenção em si mesma! Sua saúde agradece!

Gostou do nosso post? Então, assine a newsletter e receba em primeira mão novidades e dicas sobre beleza e bem-estar! Não vai ficar fora dessa, não é mesmo?😍😊😘

Powered by Rock Convert
Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-